Paratinga

Para informações e matrículas: (77) 99997-8580

Oeste baiano

Bahia

Brasil

Futebol

Faça sua Pós Graduação à distância - MatrículaS: (77) 99997-8580

Quer alavancar seu crescimento profissional? Com os nossos cursos de Pós-Graduação EAD você adquire o conhecimento que precisa para ser o profissional que o mercado busca! E ainda com flexibilidade de horário! Aproveite nossos cursos a partir de R$ 95,00* por mês! Nas áreas de SAÚDE, EDUCAÇÃO, SOCIAL, EMPRESARIAL, MBA, JURÍDICO E TEOLOGIA. Diploma com mesmo valor de ensino presencial. Cursos Reconhecidos pelo MEC. Garanta já sua vaga! Matricule-se agora! A instituição responsável é o Instituto Pró Saber, que mantém um convênio de apoio logístico e operacional com a UCAM – Universidade Cândido Mendes, para oferta de cursos de Pós-Graduação Lato Sensus, Extensão e Aperfeiçoamento com o melhor preço de mercado e na modalidade 100% EAD, o Instituto Pró Saber está localizado na cidade de Feira de Santana – BA. Para informações e matrícula: (77) 99997-8580 (77)98814-4014.
, Unlabelled

Coelba é condenada a pagar R$ 5 milhões por terceirização ilegal



A Companhia de Eletricidade da Bahia (Coelba) foi condenada a pagar R$ 5 milhões por danos morais coletivos por ter se utilizado de mão de obra terceirizada de maneira irregular, segundo o Ministério Público do Trabalho. A decisão foi tomada nesta quarta-feira (24) pela 4ª turma do Tribunal Regional do Trabalho da 5ª Região, por unanimidade, em julgamento de recurso da empresa e do MPT. A Coelba informou que vai recorrer da decisão.
Segundo o MPT, a ação é pioneira no projeto de órgão de combater a terceirização das companhias elétricas. A partir daí, outras ações entraram em curso em outros estados - Pernambuco, Sergipe, Minas Gerais, São Paulo, Rondônia e Acre. Uma liminar já havia determinado que a Coelba substituisse todos os contratos com terceirizados pela contratação direta de trabalhadores em um prazo de 180 dias, mas foi suspensa depois que a empresa recorreu.
No processo, o MPT alega que a falta de capacitação, os salários menores e as condições precárias de trabalho funcionam como fatores que ampliam o risco de acidentes. O órgão cita dados da própria Coelba, que registrou de 2004 a 2010 62 mortes de terceirizados e 5 de trabalhadores próprios em manutenção de redes elétricas.
A desembargadora Graça Boness argumentou que era preciso manter a condenação à empresa em R$ 5 milhões e ainda incluir os nomes dos sócios das empresas como réus no proceso. Ela sugeriu ainda que os recursos sejam destinados ao Fundo do Trabalho Decente (Funtrad). A relatora , desembargadora Nélia Neves, e a desembargadora Ana Lúcia Bezerra acompanharam o voto.
O advogado da empresa, José Simpliciano, alegou que não há espaço para determinar que a terceirização da atividade-fim da Coelba é ilícita. Em nota, a Coelba diz que "entende a terceirização como um processo reconhecidamente legal, previsto na Lei das Concessões e permitido no Contrato de Concessão".
A empresa ainda diz que "preza pela segurança de todos os trabalhadores requerendo das empresas prestadoras de serviço o fornecimento e o uso de equipamentos de proteção individual e coletivo exigindo ainda que elas ofereçam condições adequadas de segurança e dignas de trabalho ao seu quadro funcional, em respeito à legislação trabalhista em vigor", encerra o texto. Informações Correios 24 horas.
Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial
Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial

Saiba mais sobre as Pós Graduações do Instituto Pró Saber

Matrículas: (77) 99997-8580 ou (77)98814-4014

Lojas Dubelo

Lojas Dubelo

SUPERMAIS

CONSTRUVALE

Mais lidas do mês